A história da mulher que pode perder a vida se virar a cabeça para o lado errado

Ela conta que sua cabeça "se desloca parcialmente quando eu viro para a esquerda. Se deslocar completamente, isso seria uma decapitação interna e eu morreria instantaneamente"

A doença que atinge a jovem Rachel, de apenas 33 anos de idade,  está deixando os internautas em polvorosa desde que começou ser divulgada nas redes sociais.

Desde o mês de julho deste ano, quando foi diagnosticada com a doença, Rachel corre risco de vida a todo instante, pois se em um descuido girar  a cabeça para a esquerda poderá ter morte imediata.

Isso porque, seu pescoço se tornou incapaz de suportar o peso de sua própria cabeça e sendo assim, um simples virar de pescoço pode deslocar sua coluna cervical.

Rachel foi entrevistada recentemente, mãe de uma menina de 12 anos, ela diz que luta pela sobrevivência para poder acompanhar o crescimento de sua única filha.

Na entrevista, a paciente relata que no mundo todo tem  apenas três cirurgiões que fazem esse tipo de cirurgia, além disso, o valor  é muito alto, ficando em torno de 700 mil reais.

Preocupada ela faz um breve relato sobre a doença; “Meu pescoço se desloca parcialmente quando eu viro para a esquerda, correndo o risco de se deslocar completamente, se isso acontecer, será  uma decapitação interna e então eu morreria no mesmo instante”.

A jovem encerra dizendo que o colar cervical só pode ser usado por até 4 horas diárias, com o objetivo de evitar a perda de massa muscular.

A torcida dos amigos e familiares de Rachael é que ela consiga ajuda para custear a cirurgia e que o procedimento ocorra tudo bem, pois se ela se submeter a esta cirurgia e der tudo certo, poderá ficar totalmente curada, sendo assim, é um risco que vale a pena.

Mas, é preciso passar por duas cirurgias, são duas etapas, sendo que no primeiro momento é retirado o osso da vértebra do eixo, que comprime o  cérebro da pessoa portadora dessa patologia, já no segundo procedimento, os médicos juntam o crânio ao pescoço.

 

 

 

 

 

 

 

 

Escrito por Redatora Rn

Escritora desde 2012, antenada nas redes sociais, por dentro das novidades. Sempre estudando e buscando o melhor para transmitir nas mídias.