Brasil ora por João de Deus após ele ser transferido para UTI

Estava sendo mantido em prisão domiciliar; após ter condenações por crimes sexuais.

Dia 24, nesse sábado; homem conhecido como João de Deus ou João Teixeira de Faria, foi encaminhado para a UTI, no Distrito Federal e no Hospital Sírio Libanês. O homem teria 79 anos e teria começado a não se sentir bem pela sexta-feira, que ainda se encontrava em Anápolis (GO).

Logo após ter seu atendimento recebido, o levaram para Brasília. O homem teria sido condenado por abusar de mulheres, sexualmente, em meio a seus atendimentos espirituais. Em Distrito Federal, ele teria também passado por diversos exames; também teve seu quadro clínico diagnosticado como alto risco.

Com todo o resultado que a análise entregou, os profissionais de saúde, tomaram a decisão de encaminharem João para Brasília. João teria chegado ao lugar encaminhado, com dor em lugares perto do tórax, fadiga, mas, bem consciente. João de Deus recebeu medicações onde só podem ser ministradas em unidades de saúde; mas João se encontra bem estável, além de tudo.

João teria sido hospitalado necessariamente pois o medicamento que agora frequenta, tem reações que precisam de monitoramento todo o tempo, pois assim, a dosagem pode ter seus ajustes. Outro detalhe após a internação, é que João não teve a necessidade de ser entubado, pois como já dito, ele está consciente; mesmo não tendo previsão para alta ou cirurgias.

João de Deus teria ficado preso no mês de dezembro, no ano de 2018, até o mês de março em 2020; na Região Metropolitana de sua capital, mantido preso no Complexo Prisional de Aparecida.

João teria sido liberado pois deveria cumprir sua pena em regime domiciliar, pois tinha grande riscos para pegar o coronavírus; mesmo também sem registros sendo autorizados judicialmente permitindo a saída do homem. Portanto, segundo ao órgão, toda a comunicação precisa pode ser realizada em casos de saúde.

Voltando ao assunto sua prisão, João teria sido condenado por mais de 60 anos de prisão, pois teria cometido crimes sexuais com mulheres que atendia na Casa Dom Inácio de Loyola, e também por ter posse ilegal de sua arma de fogo. Ele foi condenado três vezes até janeiro de 2020, por ter cometido o crime com outras nove mulheres.

Escrito por Redator Seguindo News

Escrevo sobre os mais diversos temas. Prezo pela parceria com os publishers. Os divulgadores que precisam de matérias específicas podem solicitar.