Caso Henry: justiça toma decisão envolvendo mãe e padrasto da criança

Atualizações sobre o caso Henry.

O advogado que defende o casal na investigação da morte do menino Henry Borel, de apenas 4 anos de idade, André França Barreto, teve três pedidos negados na justiça. O juiz Paulo Roberto Sampaio Jangutta não aceitou suas solicitações.

A mãe e o padrasto de Henry, estavam tentando transferir a investigação para a Divisão de Homicídios, para que ocorresse uma suspensão. Além disso, entraram com um pedido para que a reconstituição do acontecimento não acontecesse.

No pedido, o advogado alega que na situação de apreensão de dispositivos eletrônicos, seria necessário que o inquérito ficasse em responsabilidade da delegacia especializada para trabalhar em casos como este.

André Barreto ainda disse que o delegado responsável pela investigação do caso, Henrique Damasceno, está agindo de maneira imparcial.

O advogado ainda solicitou que a reconstituição fosse adiada, alegando que sua cliente, Monique Medeiros, está em profunda depressão e não teria condições de reviver o momento. Além disso, afirmou que não teve tempo para a preparação de um assistente técnico que acompanhassem os seus clientes.

A morte do menino Henry continua rodeada de mistérios e perguntas não respondidas.

As autoridades querem entender que causou lesões tão graves no corpo da criança, apontadas pelo laudo realizado pelo IML (Instituto Médico Legal).

Diversas pessoas pedem para que haja justiça na morte da criança e para que tudo seja esclarecido. O pai dela, Leniel Borel, é uma destas pessoas.

Escrito por Juliana Gomes De Souza

Colunista de notícias sobre diversos assuntos. Apaixonada por literatura e a arte da escrita. Escrevo sobre tudo que envolve o mundo do entretenimento, além de falar das principais noticias sobre o dia a dia.