Em entrevista, servidor da Saúde relata que avisou Bolsonaro sobre suspeitas na importação da vacina Covaxin

BRASÍLIA – Após a recusa de assinar um recibo para o pagamento antecipado da importação da vacina indiana Covaxin, o foi o servidor público, que é concursado do Ministério da Saúde, identificado como Luis Ricardo Fernandes Miranda afirmou em uma entrevista cedida para o GLOBO que encontrou pessoalmente o atual presidente da república Jair Messias Jair no dia 20 de março deste ano para fazer uma denúncia sobre algumas suspeitas da importação da vacina. De acordo com o que foi relatado por ele, Bolsonaro se comprometeu a levar o caso até a Polícia Federal.

O contato entre o servidor e o presidente foi feito através do irmão dele, o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF). Os dois foram até o Palácio da Alvorada para um encontro que foi registrado pelas câmeras e ainda tem mensagem que irão ser mostradas para a CPI da Covid-19, na próxima sexta-feira.

Ao GLOBO, Luiz Ricardo relata que denunciou a Bolsonaro as suspeitas que envolviam a  vacina indiana Covaxin e apresentou o material que comprovava que realmente existe um pedido de pagamento fora do contrato para que fosse importado 3 lotes da vacina com data próxima de vencimento.

Em caso de assinatura do documento pelo servidor, a empresa iria poder cobrar um pagamento que foi considerado indevido no valor de US 45 milhões, convertido para reais fica R$ 222,6 milhões. O contrato para efetuar a compra da vacina com o Ministério da Saúde não prevê pagamento antecipado.

Em entrevista, o servidor contou também sobre uma “pressão anormal”, no processo para dar andamento no envio dos documentos a Anvisa e pedir a importação da vacina Covaxin.

Escrito por Redator Seguindo News

Escrevo sobre os mais diversos temas. Prezo pela parceria com os publishers. Os divulgadores que precisam de matérias específicas podem solicitar.