Escola cristã aplica prova com questões homofóbicas para alunos e a indignação toma conta da Internet

“Homossexualismo tem perdão?”. Essa foi uma das questões de uma prova aplicada para alunos do 9º ano da escola cristã

Algumas questões que caíram em uma prova para os alunos do 9º ano, na Escola Adventista de Correios, em Belém do Pará deixaram alguns pais e irmãos de alunos indignados e acabaram por ser compartilhadas no Instagram do irmão de uma das alunas: Herisson Lopes. O compartilhamento ecoou na internet e acabou como um dos assuntos mais comentados no Twitter na manhã da terça-feira passada (19).

Veja a reprodução da postagem no Instagram:

(Instagram/@makeupheri/Reprodução)

Herrison ficou furioso quando viu as questões sobre um assunto tão recente e nas lutas por direitos, sendo abordado de maneira que considerou altamente tendenciosa em um aprova de Lingua Portuguesa. Pareceu-lhe totalmente incoerente, como ele demonstra na fala abaixo:

“Não teve nenhuma questão falando de gramática ou regra ortográfica. Ao invés de estar dando assuntos que possam cair no Enem, estão falando disso no país que mais mata LGBT no mundo”, disse ele o jornal BHAZ.

O jornal procurou a escola para esclarecer o assunto e a escola afirmou que a única intenção das questões da prova era a de colher os sentimentos e as diversas e livres opiniões de cada presente. Afirmaram ainda que cada estudante podia expressar livremente suas opiniões. Tinham liberdade para isso.

Como confiar? – pergunta Herrison

Ainda extremamente indignado, Herrison Lopes pergunta: “Como confiar numa escola assim? Ele ainda complementou dizendo que não sabem como essas questões chegam na cabeça das crianças, que são todas adolescentes em fase de formação de caráter e personalidade, além de ideias.

O professor de Língua Portuguesa exigiu que os alunos comprassem o livro “De Bem com Você”, dos autores Sueli Oliveira e Marcos Benedicto. que trazem perguntas e respostas sobre a homossexualidade. O livro diz que há cura para a homossexualidade, a causa do homossexualismo, se ser gay é uma questão de escolha, dentre várias outras “doutrinas”.

Várias foram as manifestações no Twitter e também em outras redes sociais reprovando as as práticas da doutrina no ensino.; uma vez que acham que elas reforçam a ideia de homofobia, que por si só é crime.

Escrito por Telma Myrbach

Colunista de notícias e fatos sobre famosos, entretenimento e o que se relaciona à mulher e seus direitos e deveres, bem como maternidade