Ex-coroinha acusa padre de estupro em São Paulo: “Dizia que Deus concordava”

Jovem relatou que após denuncia padre continuou atuando na igreja normalmente

Lucas Grudzien, de 22 anos de idade alega ter sido estuprado por um padre de uma igreja que frequentava, localizada no Guarujá, no litoral do estado de São Paulo. O jovem deu uma entrevista ao site “G1” nesta última terça-feira (15) onde falou um pouco mais a respeito do crime.

O jovem relatou que os abusos cometidos pelo padre em questão começam quando ele tinha 15 anos de idade, e duraram por mais cerca de um ano. A defesa do padre no entanto negou as acusações feitas pelo jovem e a Diocese alegou que o inquérito aberto pelo Ministério Público sobre caso havia sido arquivado.

O estudante de engenharia conta que seu sonho era se tornar padre, e que sua família é católica. Ele foi batizado logo quando bebê na igreja, e aos 9 anos de idade fez primeira comunhão.

Aos 12 anos Lucas passou a fazer o curso para poder se tornar coroinha. Nesta época ele conta que foi quando o padre Felipe se formou e começou a atuar na paróquia que ele frequentava, Paróquia Senhor Bom Jesus.

O jovem conta que em maio de 2012 o padre foi até sua casa para pedir para que ele fosse trabalhar junto com ele na secretaria da paróquia. Por confiarem muito no religioso, os pais do menino na época deixaram que ele fosse trabalhar no local.

Ele então passou a exercer uma função onde suas obrigações eram organizar os documentos da igreja e com isso ele acabou passando um tempo maior junto ao padre Edson Felipe Monteiro Gonzalez.

Antes de ajudar o padre na secretaria da paróquia, Lucas conta que ele já havia trabalhado junto com ele no altar. Porém o contato com o padre aumentou após ele começar a trabalhar na secretaria.

Ele chegou até mesmo a começar a perguntar coisas mais intimas para Lucas como a respeito de se ele já havia beijado e recomendando que ele beijasse meninos.

Foi relatado pelo jovem também que em determinado momento o padre pediu aos pais do garoto para ele permanecer um tempo maior com ele, no trabalho. Ele então chamou o menino para assistir um filme onde começou a acariciar Lucas. Após este dia a situação se repetiu por diversas vezes.

A situação foi descoberta pelo pai do garoto através e uma conversa pelas redes sociais, que o padre costumava pedir para que ele apagasse, mas neste momento em que esqueceu foi flagrado pelo pai. O garoto chegou a fugir para morar com uma tia, ao retornar ele contou para os pais a respeito de tudo, e o pai denunciou o caso ao Ministério Publico.

 

Escrito por Redator Seguindo News

Escrevo sobre os mais diversos temas. Prezo pela parceria com os publishers. Os divulgadores que precisam de matérias específicas podem solicitar.