Garotinha de apenas 2 anos é proibida de frequentar uma creche para não assustar as outras crianças

Ela nasceu com uma deformidade e sua aparência está sendo rejeitada por todos, confira

O mundo atual convive com um grande conflito entre as pessoas intolerantes e aquelas que estão dispostas a conviverem entre si mesmo diante de todas as diferenças. Hoje existe um grande preconceito contra aqueles que são diferentes.

O caso da garotinha chamada Sofya Zakharova chamou a atenção de milhares de pessoas por se tratar de uma história triste de intolerância às diferenças. Ela possui apenas 2 anos de idade e passa por muitos problemas para ser aceita pela sociedade.

Sofya mora na cidade de Republico of Bashkortostan, localizada na Rússia. Ela nasceu com uma deformidade no crânio e sua aparência não é como a das outras crianças.

Com uma doença dessas ela agora enfrenta muita dificuldade para se encaixar. Vale lembrar que a pequenina também nasceu com os dedos das mãos e pés unidos.

Viver com uma doença do tipo já é extremamente difícil tanto para a criança como para sua família em cuidar. Porém, a mãe de Sofya não desistiu de sua amada e decidiu que sua garota iria crescer como qualquer menina normal.

Com tal pensamento a mãe procurou uma creche para colocar sua filha e recebeu uma notícia que nenhuma mãe no mundo gostaria de receber. Os professores juntamente do diretor, concluíram que Zakharova não podia estudar ficar naquela creche.

O motivo foi ainda mais horrível ao ser explicado para a mãe. Os profissionais alegaram que Sofya iria causar medo nas outras crianças por causa de sua aparência.

O caso repercutiu em diversas partes do mundo e deixou muita gente indignada nas redes sociais. Alguns especialistas ficaram sabendo da situação da garotinha russa e analisaram os efeitos negativos de tal isolamento.

Afirmaram que isolar Sofya das outras crianças apenas por sua aparência era algo terrível de ser fazer não só por questões humanas, mas também por que iria afetar o seu processo cognitivo de uma maneira significativa.

Durante muitos anos uma parcela da sociedade vem lutando para que o preconceito contra pessoas que nascem contra algum tipo de doença chegue ao fim. No começo do século, por exemplo, os nascidos com Síndrome de Down não eram vistos com bons olhos, mas hoje eles são amados e adorados por muitos.

 

Escrito por Redator Seguindo News

Escrevo sobre os mais diversos temas. Prezo pela parceria com os publishers. Os divulgadores que precisam de matérias específicas podem solicitar.