“Mamãe, não chora não”, disse menina de 5 anos antes de morrer baleada no Rio

Ketellen de apenas 5 anos foi baleada e não resistiu

O caso de Ketellen Umbelino de Oliveira Gomes está comovendo o país inteiro. A menina tinha apenas 5 anos de idade quando foi atingida por um tiro, na zona oeste do Rio de Janeiro, para ser mais preciso, em Realengo.

A garotinha caiu no chão e sua mãe tentou socorrê-la. A menina percebeu o desespero de sua mãe e pediu para que ela não ficasse chorando.

“Mãe, não chora não, mãe”; disse a menininha. A garotinha estava acompanhada de sua mãe. Ketellen ia para a escola quando foi baleada.

A menina chegou a ser socorrida por uma equipe médica. Ketellen foi submetida a uma cirurgia, mas infelizmente seu quadro de saúde acabou piorando e no início da noite a menina faleceu.

Segundo informações do RJ1, a polícia foi informada por testemunhas que passavam pelo local que dois homens desceram de um carro e dispararam tiros contra um garoto de apenas 17 anos que também perdeu a vida. O adolescente de 17 anos foi identificado como Davi Gabriel Martins do Nascimento.

Augusto é o pai de Ketellen. Ele lamentou profundamente a perda de sua filha de cinco anos e revelou que a garotinha era muito agarrada com ele.

A garotinha foi a sexta criança que se tornou vítima de bala perdida neste ano na Grande Rio. No total, apenas este ano 21 crianças foram feridas por disparos com arma de fogo na região metropolitana. Quem informa esses dados é o Fogo Cruzado.

Nas redes sociais os internautas estão lamentando o ocorrido e cobram das autoridades que justiça seja feita e que os responsáveis por esse crime tão cruel. A população se mostrou indignadíssima com toda essa violência.

E você, o que pensa a respeito desse crime tão nefasto? Lembre-se de deixar o seu comentário. Ele é de grande importância para a nossa equipe e sempre contribui para o diálogo de temas com relevância para a nossa sociedade.

 

Escrito por Redator Seguindo News

Escrevo sobre os mais diversos temas. Prezo pela parceria com os publishers. Os divulgadores que precisam de matérias específicas podem solicitar.