Monica Sangalo nega que irmão tenha roubado Ivete e diz do que ele morreu: ‘mágoa’

Monica San Galo defendeu irmão de acusações de ter desviado dinheiro da cantora de axé.

O irmão da cantora Ivete, Jesus Sangalo, morreu na semana passada. A morte foi em complicações decorrentes de uma cirurgia bariátrica. As complicações resultaram em sepse (infeção generalizada) e depois de dois meses de internação em hospital do Rio de Janeiro, o empresário não resistiu e veio a falecer.

Vários foram as mensagens de famosos que testemunharam a camaradagem e competência de Jesus Sangalo, que teve um atrito com a irmã de quem era empresário, foi à época acusado de roubo, parou de trabalhar com a musa do axé e pararam também de se relacionar. Depois de um tempo, a inocência do rapaz veio à tona e depois de meses, ele e Ivete voltaram a se falar, mas ele não mais trabalhou para ela.

Na noite de ontem (11), a outra irmã de Jesus, Monica Sangalo, fez uma longa declaração em seu Instagram, onde deu a entender que o grande motivo da morte do empresário foi “mágoa”.

Trecho do texto dizia o seguinte:

“Há várias formas de morrer. Algumas suaves, outras nem tanto. Pode-se morrer de mágoa, que se disfarça em doenças de mil nomes. Por causa da tristeza, a pessoa vai perdendo a vontade, vai cultivando a esperança vã de um dia, quem sabe, aquela dor passar, mas nunca passa”.

Ela também relembrou e comentou com sendo “uma lástima” o fato de Jesus ter sido acusado de desviar dinheiro de Ivete Sangalo e de ambos cessarem o relacionamento em 2011.

Ela afirmou que todo o trabalho do irmão foi passado em auditoria, mas a imprensa se interessou apenas na acusação.

Quando ele foi absolvido e viu-se realmente que ele não havia feito nada de errado, não houve interesse em noticiar.

Chamou a imprensa de parcial e dirá que depois do trabalho que o irmão realização, com tanto amor e competência, ele é merecedor apenas de aplausos e disse que ela o aplaudirá enquanto ela viver.

Veja abaixo o post de Monica Sangalo

View this post on Instagram

Há várias formas de morrer. Algumas suaves, outras nem tanto. Pode-se morrer de mágoa, que se disfarça em doenças de mil nomes. Por causa da tristeza a pessoa vai perdendo a vontade, vai cultivando a esperança vã de um dia, quem sabe, aquela dor passe, mas nunca passa. Há quem não aguente, há quem jamais esqueça. Pode-se morrer aos pouquinhos, primeiro o brilho nos olhos, depois o sorriso, depois o coração, o olhar desiste, a voz se afasta, o corpo cansa, a mágoa agora, senhora de tudo, vence uma guerra de favas contadas. Jesus foi acusado de ser ladrão. Que lástima. Julgado e condenado pela crueldade parcial da impressa, crucificado moralmente sem que ninguém saísse em sua defesa, nunca uma acusação foi tão vazia. Todo o seu trabalho foi passado por auditoria. Tudo foi posto em pratos limpos. Mas essa verdade jamais interessou, verdades não vendem jornais. Talvez houvesse um Barrabás em meio a essa história torpe,lamentável e covarde. Não sei. Tudo o que sei é que Jesus não tinha em seu DNA a semente da desonestidade, do mau-caratismo e da covardia. Era um homem nobre, íntegro, altruísta, do bem. Quem ergue um império como o que ele ergueu, com talento, alegria, lucidez, perseverança, criatividade, alguma brabeza, errando e acertando, aprendendo e ensinando, pelo puro prazer de realizar, não precisa tirar nada de ninguém. Basta apenas receber os aplausos merecidos. E eu o aplaudirei enquanto viver.

A post shared by MataHari (@monicasangalo) on

 

Escrito por Telma Myrbach

Colunista de notícias e fatos sobre famosos, entretenimento e o que se relaciona à mulher e seus direitos e deveres, bem como maternidade