Morre cantor considerado ídolo e fãs lamentam: “Um gênio da música, descanse em paz”

O cantor foi considerado um ícone.

Recentemente, foi divulgada a notícia da morte de Vicente Castro, conhecido como Parrita, rei da balada cigana. O cantor e violonista tinha 63 anos e estava há vários dias internado no Hospital Terrassa, em Barcelona.

Caminhou desde a adolescência com o flamenco entre as mãos e os dentes, dentro de uma família de ciganos canasteros. Chegou ao estrelato quando em 82 fez um cover da canção “Dama, dama”.

Carreira 

Não era um cantor típico, mas um artista de olhar largo que tudo filtrava por uma peneira melancólica e rítmica. Ele se tornou conhecido e logo começou a montar uma vasta discografia que eventualmente abrange quase quarenta anos. Sua carreira, é claro, teve grandes sucessos. “Um cigano da trilha” , “Lua prateada” , “Não me chame mais, não vou mais” , “Coisinhas de ontem”, “Voar mais alto que você” e “Você é meu” são alguns deles. Hinos de todos uma referência para muitos daqueles que iniciaram suas carreiras depois dele. Suas gravações, de enorme carisma, foram diversas vezes regravadas.

Ídolo cigano 

Para muitos, Parrita, foi um ídolo. As redes sociais rapidamente se encheram de mensagens de afeto para Parrita e sua família. Pedro El Granaíno, que se diz “órfão”, Paco Cepero e Arcángel foram os primeiros colegas a manifestar as suas condolências.

 “O flamenco e a música em castelhano sofrem uma perda essencial com sua morte. A de um homem que fez suas as melodias alheias e ganhou uma legião de seguidores com uma personalidade forte na garganta, furiosamente doce e bela, a luz do povo cigano.”, escreveram os colegas.

Fãs brasileiros também se despediram.

https://www.youtube.com/watch?v=9GN1JXm4NC0

Escrito por Juliana Gomes De Souza

Colunista de notícias sobre diversos assuntos. Apaixonada por literatura e a arte da escrita. Escrevo sobre tudo que envolve o mundo do entretenimento, além de falar das principais noticias sobre o dia a dia.