Motorista de aplicativo é assassinado a tiros por policial militar que estava de folga ao decorrer de uma discussão em um posto de gasolina

A autoridade brigava com o frentista do lugar quando o falecido, que se encontrava na fila para abastecer seu veículo, questionou a demora. O policial deu seu depoimento na investigação e logo após, foi liberado.

Em Niterói, Rio de Janeiro; um motorista de aplicativo de corrida foi baleado no decorrer de uma discussão num posto de gasolina, pela noite da última terça-feira, dia 17 de novembro. O criminoso que o matou, foi identificado como Giovani Peçanha Athaíde, faz parte da polícia militar e no dia, estava de folga. Foi liberado após ser ouvido pelas autoridades.

A vítima, identificada como Diego Soares Sampaio, chegou a ser baleado duas vezes em seu abdômen. Mesmo sendo socorrido após os tiros, não conseguiu resistir.

De acordo com a auxiliar de enfermagem, a esposa do baleado, Hellen Cristina Nascimento; a discussão teria se iniciado com um frentista e um PM. Logo depois, ela e o esposo, que estavam na fila de abastecimento, reclamaram de toda a demora.

Uma câmera de segurança do local chegaram a capturar imagens do momento que ambos se retiram do carro. Diego, desde então, vai até Giovani, que dispara. A vítima acaba caindo no chão. De acordo com a polícia, Diego teria descido do automóvel para agredi-lo e teria atirado para evitar a briga.

De acordo com as testemunhas, o policial teria xingado o casal antes de atirar. A mulher diz que já estavam indo embora e teria dito ao policial que era só arredar o automóvel para frente, desde então, ele começou a soltar palavrões.

Quando Diego se retirou do carro e chegou próximo ao policial, ele já teria disparado, a mulher teria se enfiado na frente dele, e o policial ainda deu mais um tiro; de acordo com a mulher.

Diego deixa para trás, uma filha de apenas 8 anos.

Escrito por Redator Seguindo News

Escrevo sobre os mais diversos temas. Prezo pela parceria com os publishers. Os divulgadores que precisam de matérias específicas podem solicitar.