Seguranças de supermercado são condenados a mais de 10 anos após crime que chocou o Brasil

Seguranças acabam sendo condenados a ficar mais de 10 anos na cadeia.

Em meio à polêmica em torno da morte de João Alberto Silveira Freitas, 40, em um supermercado da rede Carrefour, em Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, outro caso ocorrido em um supermercado, que chocou o Brasil no ano passado, teve desfecho .

 

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) condenou os seguranças Valdir Bispo dos Santos e David Oliveira Fernandes, que trabalhavam em uma unidade de Ricoy, na zona sul da cidade de São Paulo, a 10 anos de prisão. Em agosto de 2019, eles agrediram um menor que foi flagrado roubando chocolate na loja.

Os juízes que pertencem a  Quarta Vara Criminal condenaram esse crime de lesão corporal, tortura, prisão privada e revelação da nudez dos fracos pelos seguranças. O adolescente que tentou roubar chocolate no supermercado foi levado para uma sala e espancado.

O caso repercutiu em todo o Brasil na época, e o segurança foi preso um mês após o incidente. Segundo G1, um deles tem o direito de estender o tempo de execução da sentença. Em maio deste ano, devido ao seu bom comportamento na prisão, passou para o regime semiaberto.

Primeiro, o segurança foi condenado por lesões corporais, mas foi absolvido de tortura.

O promotor apelou e os juízes entenderam tortura. Os juízes Ivana David, Edison Brandão e Camilo Lellis condenaram Valdir e David por unanimidade. Agora o Brasil aguarda o julgamento dos dois seguranças que matou João Beto no Carrefour.

 

Escrito por Ana Carolina Alves Da Silva

Redatora profissional, trago em primeira mãos os babados mais polêmicos do mundo dos famosos e as novidades sobre televisão.